sábado, abril 24, 2010

O corpo em fumaça: marcha no tempo que esperdiçou. Aquele interlúdio não nos contou o segredo, o chão não nos tragou nem nos redimiu no frio insensível da terra.

O que perdemos, no dia de se perder? Nada, a Anchieta não tem placas a indicá-la - a estrada e o corrê-la tem uns destinos espalhados no chão.

Nenhum comentário: