sexta-feira, outubro 16, 2009

Você é o que roda num furacão - esse centro, esse centro, esse centro, esse centro está no teu nariz, estende teus dedos e toca! Mas o triste de estar num furacão que roda roda roda é que você fecha os olhos na vertigem do movimento e olha para um céu vazio. O céu é vazio porque você olha para cima e só vê seus dedos apontando para o céu e dizendo "olha, lá está o céu na minha unha!". Você acha que pode ver o céu? Você acha que pode ver o chão? Você só pode ver o avesso das tuas pálpebras, e há anos os médicos decretaram um estranho problema nos teus músculos que te impede de levantar esse véu que faz com que você só veja miséria. A miséria, miséria, a miséria, teu corpo é um balde de miséria.
Você tem olhos marrons cheios de uma vida que ninguém descobriu. Você tem voz e tem voz que é só sua. Teu coração bate, e como! Você tem corpo, tem seios, tem pernas, tem dedos no pé, tem lábios, e eles chamam o chão, eles amam a terra, o doce puro da terra, não os negue! Não os negue! Não, você não merece a si mesma, teus olhos e tua voz, e teu coração, teu coração e teu coração estão rodando e não vão parar de rodar. Tuas pupilas rolam no enjoo da vertigem.

Um comentário:

Dani disse...

Que linda, Paulo, essa frase :

" você tem olhos marrons cheios de uma vida que ninguém descobriu"

É, há TANTAS pessoas nessa situação, inclusive eu ;-/

Beijos, escreva mais !!! ;-)